Como a alta de juros está aumentando o endividamento dos brasileiros? Confira dicas se livrar das dívidas acumuladas

Para conter a inflação, o aumento da taxa de juros busca frear o consumo

São Paulo, segunda-feira, 9 de maio, por Cristiane Luzio Rodrigues – A alta de juros vem crescendo rapidamente, com o patamar atual de 12,75% ao ano. Dessa forma, o Banco Central pretende, com esta medida, frear a inflação, através da diminuição do consumo da população. Ou seja, se as taxas de crédito estão elevadas, a perspectiva é que a população realize menos compras a prazo.

Porém, muitas vezes a realidade não é tão simples. Atualmente o que se tem visto é o brasileiro utilizar-se de créditos para realizar compras básicas, como, por exemplo, alimentos. Pois, com a inflação nas alturas, o salário não é o suficiente nem para as despesas do lar. Desse modo, o endividamento está desenfreado no Brasil. Então, o Valor Diário reuniu aqui as principais informações e como evitar que as dívidas tomem uma proporção desmedida.

Leia também: Auxílio Brasil de R$ 400; Senado confirma o valor permanente; descubra se tem direito e como se cadastrar

Como a alta de juros está aumentando o endividamento dos brasileiros Confira dicas se livrar das dívidas acumuladas (reprodução Canva)

Como a alta de juros está aumentando o endividamento dos brasileiros Confira dicas se livrar das dívidas acumuladas (reprodução Canva)

Alta dos juros pode aumentar o endividamento da população

De antemão, é nítido o elevado crescimento da taxa básica de juros do país, a Selic. Pois, em comparação ao mesmo período do ano anterior, que a taxa estava no patamar de 2%, hoje temos uma taxa de 12,75% ao ano.

Em resultado, a população está pagando mais de 10% a mais de juros em suas dívidas. Assim, com o poder de compra do dinheiro menor, o brasileiro se vê sem muitas alternativas.

Alguns fatores fazem com que o brasileiro não tenha opção, senão utilizar-se de seu crédito para suas despesas básicas e se endividar ainda mais. Desse modo, o primeiro é a inflação, que, conforme IPCA acumulado dos últimos 12 meses, registra 11,30%. Logo após, vem a alta taxa de desemprego, que hoje registra 11,1%, conforme dados do IBGE.

Confira mais: Selic sobe para 12,75%; veja quanto rende R$1.000 no Tesouro Direto

Como parar de usar o crédito como um complemento à renda?

Infelizmente, o planejamento de finanças pessoais, para muitos, ainda é desconhecido. Ou seja, muitos nem sequer sabem quais são as suas despesas mensais. Utilizando, muitas vezes, do cartão de crédito como seu fosse dinheiro “de verdade”.

Então, sem dúvidas, o primeiro passo para frear o endividamento é estabelecer quais são os gastos mensais e verificar quais podem ser cortados. Feito isso, iniciar a negociação com os credores das dívidas mais altas. E, gradativamente, estabelecer um plano para restabelecer a saúde financeira.

Para ilustrar, assista este vídeo: “Como limpar seu nome e sair das dívidas (pra sempre): 4 passos poderosos!”, do canal ‘Me Poupe!’, do YouTube.

Você pode gostar: Como o imposto de renda se aplica a poupança? Descubra hoje

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.