Empreender exige esforço, estudo e também recursos financeiros. Afinal, por menor e mais simples que seja o empreendimento, algum investimento será necessário. Um primeiro passo fundamental é a formalização. Nesse sentido, a modalidade MEI (Microempreendedor Individual) facilita bastante na hora de conseguir um empréstimo.

Além disso, todos os bancos tradicionais do país possuem linhas de crédito voltadas para atender o microempreendedor. Inclusive, até mesmo as fintechs (empresas de tecnologia financeira) estão ofertando produtos e serviços diferenciados para quem é MEI.

Conheça mais sobre a modalidade, e veja o que é necessário para se formalizar, e, claro, onde procurar um empréstimo barato para iniciar um negócio.

Leia ainda: Home office será adotado por mais empresas, aponta pesquisa

MEI: formalização facilita obtenção de empréstimo barato; entenda
MEI: formalização facilita obtenção de empréstimo barato; entenda

Formalização de MEI se consolida como estratégia empreendedora

O intuito do programa, iniciado em 2009, foi de promover a formalização de pequenos negócios e também de trabalhadores autônomos a um custo baixo, principalmente quanto a impostos.

Entretanto, a crise econômica, no qual o país vem passando, fez com que muitas pessoas enxergassem na possibilidade de abrir um pequeno negócio como MEI, uma alternativa ao desemprego; já para muitos outros, uma possibilidade de garantir uma renda extra.

Segundo os números do IBGE (agosto/2019), o desemprego atinge atualmente mais de 12 milhões de brasileiros, entretanto, por conta da pandemia do coronavírus, o desemprego pode alcançar 20 milhões de brasileiros.

Isso tem contribuído, certamente, para o aumento do número recorde de trabalhadores por conta própria, categoria que inclui os MEI’s.

Os trabalhadores por conta própria atingiram o maior patamar, desde que esse levantamento começou a ser feito pelo IBGE: 24,2 milhões de pessoas.

Negócios em alta

De acordo com o Sebrae, as atividades que mais crescem são relacionadas a vendas, serviços de beleza, domésticos e pequenos reparos.

Ranking com as oito primeiras atividades, em número de registros (dados de abril/2019):

  1. Promoção de vendas;
  2. Serviços de beleza;
  3. Trabalhos domésticos;
  4. Atividades de apoio administrativo;
  5. Serviços de entrega rápida;
  6. Obras de alvenaria;
  7. Atividades de ensino;
  8. Treinamento em desenvolvimento profissional.

O cadastro do MEI permite mais de 500 atividades e o empreendedor, além de cadastrar a atividade principal, ainda pode registrar mais de 15 ocupações secundárias.

Vantagens de ser MEI

Pelas regras do MEI, só podem se enquadrar nessa categoria, negócios que faturam até R$ 81 mil por ano (ou R$ 6,7 mil por mês) e têm no máximo um funcionário.

Além disso, o empreendedor não pode participar como sócio, administrador ou titular de outra empresa

O registro de MEI permite ao microempreendedor ter CNPJ, a emissão de notas fiscais e o aluguel de máquinas de cartão.

O MEI também garante o acesso a direitos e benefícios previdenciários, já que pagando a mensalidade em dia, o empreendedor tem direito à aposentadoria por idade ou invalidez, além de benefícios como auxílio-doença e salário-maternidade.

Custo mensal

Será obrigatório o pagamento mensal dos tributos de R$ 51,95 (INSS), acrescido de R$ 5,00 (para Prestadores de Serviço) ou R$ 1,00 (para Comércio e Indústria).

O pagamento se dá por meio do DAS (carnê) emitido através do Portal do Empreendedor ou pela opção de Débito automático e Pagamento online.

Formalização

Para formalizar o processo é bem simples. Basta acessar o Portal do Empreendedor, e na página principal clicar em Formalize-se, em seguida é só preencher com seus dados pessoais, como CPF e endereço, escolher a (s) atividade (s) e pronto, já terá um CNPJ e acesso a todos os direitos e benefícios.

MEI pode conseguir empréstimo barato e rápido

Os principais bancos do país, como a Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, Santander, Bradesco e Itaú, possuem programas de incentivo ao MEI, como o Microcrédito Produtivo Orientado.

Essa linha de crédito tem como principal objetivo ajudar o empreendedor a dar os primeiros passos no desenvolvimento do negócio e pode disponibilizar quantias que vão de R$ 300 a R$ 21 mil.

Algumas das condições necessárias para conseguir o dinheiro são:

  • Ser correntista do banco;
  • Estar formalizado como MEI;
  • Ter faturamento máximo de R$ 200 mil (o que abrange até quem já é uma Micro Empresa);
  • Ser maior de 18 anos;
  • Não ter o nome negativado. Contudo, isso não impossibilita outros caminhos, já que é possível contar com linhas de microcrédito que exigem aval solidário.

Prazos de pagamento e garantias

Alguns bancos podem dispensar a apresentação de garantias, como a Caixa Econômica e o Banco do Brasil.

Nesse caso, os bancos trabalham com aval solidário, onde vários microempresários são avalistas uns dos outros ou até mesmo, após análise do negócio, dispensam totalmente essa exigência.

Em geral, os prazos de pagamentos são de 4 a 24 meses.

Taxa de juros

As taxas negociadas vão variar de banco para banco, entretanto, ficam numa média de 3% ao mês.

Como o MEI deve proceder para contratar o microcrédito

Apesar dos processos poderem ser iniciados através dos sites dos bancos, o recomendável é que os microempreendedores procurem a agência bancária na qual possuem conta ou até mesmo a que seja mais conveniente.

Leia ainda: Caixa abre nesta segunda-feira: quem pode sacar o Auxílio Emergencial hoje

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here