Sem crédito no mercado, consumidor procura por consórcios; saiba como funciona aqui

Com os juros nas alturas, crédito no mercado está cada vez mais difícil; então, os consórcios estão em alta entre brasileiros

São Paulo, quinta-feira, 26 de maio, por Cristiane Luzio Rodrigues — Com a Selic a 12,75% ao ano, ter crédito no mercado tornou-se mais difícil e oneroso. Então, para adquirir bens e serviços, muitos brasileiros estão optando por consórcios.

No geral, os consórcios são opções para aquisições de automóveis e imóveis; porém, produtos e serviços com valores menores também estão sendo consorciados. Em resultado do cenário econômico atual, o crédito está escasso e outros produtos e serviços entraram na onda de consórcio. Assim, esse mercado só vem crescendo desde 2021, sendo agora, possível, por exemplo, fazer até mesmo para festas de casamento. Então, o Valor Diário mostrará como funciona os consórcios e como solicitar.

Leia também: Dólar está caindo novamente; entenda os motivos da moeda chegar a R$ 4,80

Sem crédito no mercado, consumidor procura por consórcios; saiba como funciona aqui (reprodução Canva)
Sem crédito no mercado, consumidor procura por consórcios; saiba como funciona aqui (reprodução Canva)

Qual diferença entre consórcio e financiamento?

Embora tenham a mesma finalidade, aquisição de bens ou serviços, são categorias totalmente diferentes de mercado. Em síntese, no consórcio, uma administradora reúne pessoas que querem adquirir um bem comum. Logo após, estes participantes começam a realizar o pagamento de valores mensais, até chegar-se ao valor totalmente do bem e fazer sua aquisição.

Assim, não irá retirar o bem no momento do consórcio, irá, teoricamente, poupar mensalmente seu dinheiro, por intermédio de uma administradora. Em resultado, terá uma carta de crédito para compra do bem pretendido. Conforme especialistas, o consórcio nada mais é que uma categoria de investimentos, pois não há juros e o participante consegue se planejar para aquisição de bens com valores mais justos, à vista.

Ao contrário, no financiamento há aplicação de juros, porém, o bem é entregue no momento da aprovação do crédito. Ou seja, geralmente, pode retirar o bem antes mesmo de pagar a primeira parcela do valor.

Confira também: Dividendos esta semana; confira quais empresas distribuirão seus proventos e quais valores

Quando retiro o bem?

Sobretudo, como se refere a um investimento mensal e, em regra, não se sabe a data que terá a carta de crédito, muitas vezes as pessoas optam por financiamentos. Porém, diante do caos da economia, os brasileiros estão esperando mais um pouco e tornam-se consorciados. Ainda mais, para tentaram acelerar a aquisição do bem, muitos optam pela realização de lances.

Por fim, a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (ABAC) mostra o aumento de participantes em 2021, conforme matéria de Bianca Alvarenga, de março de 2022, no portal exame.

“Ainda de acordo com dados da ABAC, o número de participantes de consórcios para aquisição de serviços aumentou 22% em 2021. Os consórcios de eletroeletrônicos, eletrodomésticos e bens duráveis cresceram ainda mais, chegando a uma captação de clientes 51% maior do que em 2020.”

Para ilustrar este conteúdo, assista este vídeo: “Fazer um consórcio é um bom negócio? | Você MAIS Rico”, do canal Bruno Perini – Você MAIS Rico, do YouTube.

Veja também: 5 dicas para você economizar dinheiro

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.