Fundos imobiliários em alta; saiba como investir e quais os especialistas mais recomendam para 2022

Aprenderá hoje como investir e quais são os fundos mais recomendados

Seabra, quarta-feira, 25 de maio, por Cauê Martins — Investir em fundos imobiliários se tornou boa opção para quem busca investir e viver de renda passiva. A partir disso, você aprenderá como investir e quais são os fundos mais indicados. 

Os fundos imobiliários estão em alta, devido à facilidade e simplicidade de aplicar capital nesse setor. Dessa forma, no Valor Diário, você irá entender tudo sobre essa forma de viver de aluguéis sem comprar um imóvel. Continue lendo e saiba mais. 

Confira: como fazer empréstimo pelo Nubank? Confira aqui como fazer e ter dinheiro rápido para emergências

O que são fundos imobiliários?

Antes de tudo é importante você saber que se trata os fundos imobiliários. Esse tipo de investimento é como uma espécie de condomínio. Assim, reúne seus recursos investidos em conjuntos no mercado imobiliário. 

Desse modo, a aplicação servirá na construção ou em aquisição de imóveis. A partir disso, essas edificações serão locados ou arrendados. Depois disso, com os ganhos vão ser divididos entre os “donos”, conforme o que cada pessoa aplicou. 

Como investir em fundos imobiliários?

Fundos imobiliários em alta; saiba como investir e quais os especialistas mais recomendam para 2022 - reprodução Canva
Fundos imobiliários em alta; saiba como investir e quais os especialistas mais recomendam para 2022 – reprodução Canva

Agora vamos para a prática! Para iniciar nesses investimentos é importante ter uma conta em corretora de valores.

Por isso, priorize instituições que não cobrem taxas, que sejam modernas e digitais, assim terá mais facilidade de manuseio. Essa parte é importante para você poder comprar e vender as cotas de fundos. 

Com os recursos transferidos é hora de aplicar nos fundos imobiliários. O código-símbolo desse investimento sempre terá quatro letras seguida pelo número 11 (XXXX11).

Outro passo importante é estudar sobre o fundo, assim você irá conferir os documentos, como prospectos, regulamentos e boletins. Então, você saberá se aquele fundo imobiliário é uma boa opção.  

Por fim, configure a quantidade de cotas, o valor e faça a confirmação. Além disso, lembre-se que os ganhos periódicos são livres de imposto de renda, já o ganho de capital com as variações de capitais são cobradas o imposto. 

A partir de agora, você saberá quais são os 3 fundos imobiliários mais recomendados para investir. 

Veja: FGTS: é possível ter saque-aniversário e saque extraordinário? Entenda as regras aqui

BRCO11

O Bresco Logística tem 11 propriedades, equivalendo 446mil metros quadrados de área bruta locável, com um potencial de expansão em 6%. 

Segundo analistas, o Bresco possui diversos diferencias, mas o que mais destaca é a grande exposição ao Estado de São Paulo, sendo em contatos atípicos e a qualidade dos imóveis. 

Assim, esses fatores positivos colaboram com a previsibilidade de receitas e com a distribuição de dividendos do fundo. Dessa forma, sendo boa opção para quem deseja investir em fundos imobiliários. 

KNCR11

o Kinea Rendimentos Imobiliários possui um patrimônio líquido de 3,9 bilhões. Esse fundo está se beneficiando com o cenário atual de juros, pois 83% de títulos estão indexados ao CDI, o que faz ter bons retornos em dividendos. 

HGRU11

CSHG Renda Urbana também se destaque entre os fundos imobiliários. Atualmente possui 433mil metros quadrados e patrimônio líquido equivalente a r$2,18 bilhões. 

Os imóveis deste fundo abrigam espaços voltados aos segmentos de varejos (alimentícios, vestuário e educacional), correspondendo 90% das receitas. 

De acordo a publicação feita por Wellington Carvalho no Infomoney em maio de 2022, a CSHG Renda Urbana é uma boa forma para gerar receita, ou seja, ganhar dividendos. 

Por fim, confira no vídeo abaixo do Primo Rico, onde ele mostra na prática como investir em fundos imobiliários. 

Leia também: fundo Imobiliário Maxi Renda MXRF11: veja como ficará os dividendos após decisão da CVM; confira o que mudou

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.