Elon Musk quer monetizar o Twitter; veja quais são os desafios que pretende após a compra

Veja quais serão os principais desafios para o bilionáeio Elon Musk para transformar o Twitter na rede social perfeita que ele vem idealizando na internet

Franca, sábado, 30 de abril, por Sheila Sabatini – O bilionário sul-africano Elon Musk acaba de comprar a rede social Twitter por 44 bilhões de dólares, e este está sendo um dos assuntos mais comentados na internet. A página Valor Diário trouxe para você, de antemão, os principais desafios que o dono da Tesla e da Space X deverá enfrentar com sua nova aquisição. Confira.

A princípio, a compra do Twitter por Elon Musk tem tido muita repercussão. Isso porque Musk causou polêmica ao anunciar algumas mudanças que pretende fazer na rede social. Mas, por outro lado, os especialistas entendem que a ousadia de alguém como Musk poderá contribuir para fazer a rede crescer, se tornar mais rentável e esquentar a briga com as rivais.

Leia também: FGTS aniversário; entenda aqui como funciona essa modalidade e como pedir

Principais desafios na “Era Musk”

Elon Musk quer monetizar o Twitter; veja quais são os desafios que pretende após a compra - reprodução: Pixabay
Elon Musk quer monetizar o Twitter; veja quais são os desafios que pretende após a compra – reprodução: Pixabay

Moderação de conteúdo

Inicialmente, a moderação de conteúdo é um dos temas mais polêmicos quando se trata de redes sociais.

Isso porque enquanto alguns defendem que é dever da plataforma cuidar de quais posts ou pessoas devem ser bloqueadas ou restringidas, outros defendem que as autoridades governamentais é quem devem atuar junto dessas companhia, e há também quem acredita que restringir posts seria por em risco a liberdade de expressão. Ao que parece, Elon Musk se identifica mais com esse último grupo.

“Na dúvida, deixe o discurso, deixe que exista”

Disse ele em entrevista a um famoso canal de palestras.

O Twitter, como outras plataformas de mídia social, até então suspende contas por violar padrões de conteúdo, incluindo violência, discurso de ódio ou desinformação prejudicial, segundo matéria publicada pela plataforma G1 no dia 25 de abril de 2022.

Porém, até agora, Elon Musk não deu opinião sobre o que deve ser mantido ou proibido dentro da plataforma. Mas ao comunicar a compra da plataforma, ele disse que

 “A liberdade de expressão é a base de uma democracia em funcionamento”

e também definiu o Twitter como

“A praça da cidade digital onde assuntos vitais para o futuro da humanidade são debatidos”.

Todavia, uma possível redução na moderação pode fazer com que o Twitter enfrente problemas com a justiça em diversos países, além de uma perda significativa de usuários segundo especialistas.

Confira também: Aumento na conta de luz: Aneel aprovou alta de até 25% em alguns estados a partir de sexta-feira

Verificação de perfis

Uma mudança que está sendo vista com bons olhos, tanto por especialistas quanto pelo público em geral, é a idéia de que a verificação de perfil se torne uma ferramenta para diferenciar os usuários reais da plataforma  de boots, ou seja, robôs que propagam mensagens automáticas como discursos de ódio e fake news. 

Monetização

Elon Musk quer monetizar o Twitter; veja quais são os desafios que pretende após a compra - reprodução: Canva
Elon Musk quer monetizar o Twitter; veja quais são os desafios que pretende após a compra – reprodução: Canva

Inicialmente, Elon Musk disse que não tinha interesse em lucrar ao adquirir o Twitter. Porém, de acordo com os especialistas, considerando o perfil arrojado do bilionário, a plataforma deverá aprender a trabalhar com mais produtos e trazendo inovações, conforme visto em outros negócios de Musk.

O Twitter, apesar de ter 16 anos, ainda é uma rede muito menor que suas concorrentes. E de acordo com dados recentes,  a rede tem 217 milhões de usuários diários e monetizáveis. Ou seja, contas que podem visualizar anúncios ou produtos pagos por uma empresa que almeja encontrar e acertar um nicho mais específico. Por exemplo: games, maquiagem,tecnologias e etc.

No ano passado o Twitter  teve 5 bilhões de dólares em receita, enquanto o Facebook superou os 100 bilhões de dólares, aponta Pedro Waengertner, professor de negócios digitais na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e fundador da aceleradora e investidora de startups ACE.

Além disso, especialistas apontam que é quase certo que Musk invista também em um plano de negócios mais rentável que beneficie os criadores de conteúdo com retorno financeiro.

Para finalizar, veja a reportagem do canal “CNN Brasil” sobre como foi a negociação do Twitter por Elon Musk.

Você também pode gostar:Como empreender na internet? Confira o passo a passo

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.